terça-feira, 30 de agosto de 2011

Uma tentativa: conserva agredoce de chuchu!


Olá! 

Óntem fiz uma experiência que já estava querendo fazer a muito tempo. O líquido dessa conserva já usei com abobrinhas e agora foi a vez de experimentar com o chuchu.

O resultado com a abobrinha é maravilhoso. Vem tudo na língua: o doce, o azedo, o picante e bem levemente o salgado. Este último ainda se nota, pois antes de tudo, a abobrinha e a cebola tem que  marcerar durante uma noite no sal.

Com o chuchu resolvi fazer diferente, até mesmo por causa da sua consistência. Também resolvi fazer duas versões. Um vidro com o chuchu cortado em tirinhas e o outro cortado em bandas.

 
Não sei como ficará o resultado final dessa conserva feita com o chuchu. Só daqui a um mês para saber. Esse é o tempo mínimo de conservação antes do consumo :( Passo mesmo assim a receita, vai que dá certo ;)

Mas não se preocupem, na hora certa vocês ficaram sabendo. Se ficar bom, já tenho até duas super idéias para utilizá-la. 


Conserva agredoce de chuchu
Quantidades para um vidro grande com capacidade de 1 ½ l

1500g de chuchu
1 cebola pequena (+- 50g) cortada em tirinhas de 0,5 cm de grossura
600ml de água
600ml de vinagre,
eu usei três tipos, o de vinho branco (240ml), maçã (240ml) e álcool (120ml)
400g de açúcar cristal
2 ou 3 col. sopa de curry em pó (16g a 24g)
1 col. chá de pimenta do reino moída na hora (2g)
1 col. chá de sal

Obs.: use sempre utensílios de metal ou vidro, pois o curry colori e o amarelo não sai!!!

Lavar e descascar o chuchu. Corte em duas partes (bandas) e retire o centro branco. Reserve.

Em uma panela grande ferva água em abundância para esterializar os vidros (ou o vidro) de conserva.  

Em uma outra panela, coloque o açúcar, a água, o vinagre, o curry a pimenta e o sal e leve para ferver. 

 
Se for cortar o chuchu em tinrinhas:

Assim que começar a esquentar o líquido da conserva, junte o chuchu e deixe cozinhando por 5 minutos com a tampa fechada. Use o fogo médio! 

Enquanto isso coloque água fervente no vidro (e tampa!) da conserva e deixe por uns dez minutos esterializando!

Depois apague o fogo e deixe o chuchu repousar dentro da panela tampada, por mais 5 minutos. Passado esse tempo, retire as tirinhas de chuchu da panela e coloque em um prato limpo. Retire do vidro de conserva a água quente (reserve) e acomode as tirinhas de chuchu intercalando com a cebola.

Você poderá encher mais o vidro com chuchu e cebola, consequentimente precisará de menos líquido de conserva!

Se for cortar o chuchu em duas partes (ou bandas):

A única diferença para o chuchu cortado em tirinhas, é que como o pedaço do chuchu é maior, cozinhei mais tempo antes retirar da panela e colocar no vidro. Cerca de 15 minutos cozinhado (fogo médio) e mais 15 minutos descansando no líquido quente dentro da panela tampada.

E a cebola foi colocada no momento em que desliguei o fogo e comecei a deixar o chuchu descansando  no líquido quente.

Coloque as bandas de chuchu e a cebola no vidro já esteralizado e siga o que vem abaixo.


Para ambos:

Depois ferva o liquído da conserva e despeje ainda bem quente dentro do vidro com as tirinhas ou as bandas de chuchu. Encha o vidro com o líquido da conserva, até quase a boca. Feche da mareira que o fabricante do vidro indica.

Assim não,
assim!
O meu vidro tem uma "rolha de borracha" que eu posso colocar antes de fechar e assim vedará o vidro!

Ferva mais água (ou use a que foi utilizada para esterializar os vidros) em uma panela que acomode o vidro quase por inteiro. Quando começar a aparecer bolhas no fundo da panela, desligue o fogo. Coloque o vidro com tirinhas de chuchu por dez minutos e o com as bandas de chuchu por vinte minutos dentro dessa água quente. 

Depois desse tempo, é só retirar os vidros da água e deixar esfriar por completo em cima da mesa (ou onde preferir) antes de guardar no armário. Deixe esfriar lentemente!

Não se preocupem se os pedaços de chuchu ficarem em cima, quando quente. Ao esfriar eles descem e ficam no meio do vidro ;)

O curry vai acentar no fundo do vidro. Dê sempre uma chaqualhadinha para que ele se espalhe e renove o sabor!!

Não posso me esquecer de estar sempre olhando para ver se está tudo bem como minhas novas conservas :)

Entiquete e deixe conservando, no mínimo, durante um mês antes do uso!!! Se preferir, use vidros menores. Você também pode cortar o chuchu em cubos irregulares e fazer da mesma maneira que os cortados em tirinhas ;)

Se quiserem ver mais fotos, vão lá no flickr. Esse post rendeu muitas fotos, mas não pudia colocar tudo aqui, se não teriamos um post quilomêtrico hihi!

Um abraço


sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Bolinho de chuva


Olá gente!

Hoje fiz algo muito fofo, bolinhos de chuva. Não parece coisa de avó?! Para mim sim :)

Quando eu era criança, na rua onde morava tinha uma família japonesa que minha mão e meu pai conheciam. Algumas vezes quando minha mãe fazia algum quitute ou comida gostosa, ela mandava, através de mim ou meus irmãos uma porção para essa família.

Acontece que a vovó japonesa, nunca mandou a vasilha vazia de volta. Quase sempre tinham  bolinhos de chuva dentro. Até hoje eu achava isso!!

Liguei para minha mãe para convidá-la para comer bolinhos de chuva e relembrei essa história para ela, só que ela disse que eram mini sonhos e não bolinhos de chuva.

Quando experimentei um dos bolinhos, percebi que fazia tanto tempo que minha mãe não comia os bolinhos que acabou esquecendo que eram mesmo bolinhos de chuva. 
 
A receita, que usei para fazer os bolinhos tirei do blog Bar.bar Peripécias gastronômicas do Lucas Corazza. A dica de adicionar frutas é dele :) Ficou super diferente :) Como no blog a receita está em xícaras e colheres, pesei tudo e dou a vocês hoje as medidas pesadas de acordo com minha xícara de 240ml e minha balança digital.

Com frutas

Bolinho de chuva
Rendeu 22 unid. com frutas e 32 unid. sem frutas

Frutas

30g de uva passas escura e clara
40g de maçã sem casca bem cortadinha
1 col. chá de manteiga sem sal
1 col. chá de açúcar 

Coloque as passas numa vasilhinha e cubra com água filtrada ou mineral e deixe hidratando por uns 25 minutos. Numa frigideira pequena e quente, coloque a manteiga e deixe derreter. Junte a maçã e o açúcar. Cozinhe até que a maçã comece a ficar macia. Use totalmente frio!
Esprema as passas e junte à maçã. Reserve.


Massa para os bolinhos

2 ovos (93g)
¾  xícara de açúcar (122g), eu usei o refinado
2 col. sopa de manteiga na temperatura ambiente (30g), eu usei sem sal
1 pitada de sal
1 col. sopa de fermento em pó (8 g)
1 xícara de leite integral (240ml), também na temperatura ambiente, aliás tudo na temperatura ambiente!
2 ¼  xícaras de farinha de trigo sem fermento (315g)
500ml de óleo para fritar

Açúcar e canela em pó à gosto para envolver os bolinhos

Num bowl coloque a manteiga, os ovos, o açúcar e o sal e bata até que fique tudo homogêneo. Usei o mixer de mão com o batedor de ovos, mas a mistura ficou tão rápido homogênea que depois vi que poderia ter usado um batedor de arame ou Fouet.

Agora com o batedor de arame ou espátula de silicone. Misture o leite alternando com a farinha. Misture bem.

Agora acrescente o fermento peneirado e misture.

Separe a massa em duas partes. Não precisam ser exatamente 50% - 50%. Em uma das metades adicione as frutas e misture só até agregar.


Aqueça o óleo. Eu usei uma panelinha bem pequena. Acredite, é suficiente. Couberam 5 bolinhos por vez e mesmo assim, tive que ser ágil para não perder o ponto dos fofinhos.

Depois de alguns testes com duas colheres, resolve usar minha colher de sopa (medidora) para modelar os bolinhos. Eu enchi a colher medidora com a massa e com uma colher de chá despejei a massa no óleo. Com o tempo fui pegando mais prática, mas os meus bolinhos não saíram tão redondos quanto os do Lucas.


Frite os bolinhos até que fiquem dourados. Tome sempre cuidado para que o óleo não fique muito quente ;)


Coloque os bolinhos fritos em cima de papel toalha para enxugar o óleo e depois passe-os no açúcar misturado com canela em pó. 


Coma ainda morno! Essa dica é muito importante :) pois frios, eles são o O do borogodó! hihi. Espero que tenham gostado! Bom final de semana :) 

Um abraço


terça-feira, 23 de agosto de 2011

Rösti com espinafre refogado


Olá gente!

Uma entradinha que também pode ser servida como pratro principal! A mim não afeta o juízo se eu não tiver carne em todas as refeições ou todos os dias :s

Por isso decidi hoje ir de A la vegetariana no almoço! Uma combinação muito simples, mas extremamente saborosa. Batata Rösti aqui em casa sempre tem :) Adorooo a parte tostadinha e crocante que fica na superfície.

Queria ter usado o creme azedo puro, mas como sou teimosa, dei uma temperadinha no danado e ficou uma delícia de molho frio. Já estou até pensando em combinar com um futuro peixinho grelhado, mas para isso acrescentarei coentro picado, adorooo!


Rösti com espinafre refogado
Rende 4 porções como prato principal e 6 como entrada

Rösti

1365g de batata
Uma boa pitada de sal
Óleo de soja, o quanto baste

Coloque uma frigideira grande (eu usei teflon = menos gordura e ainda não gruda) para aquecer no fogo baixo. Descasque as batatas e rale-as. Use o lado grosso do ralador.


Jogue um fio grosso de óleo na frigideira e espalhe. Esprema a batata ralada para retirar o excesso de líquido e vá acomodando em uma outra vasilha. Junte o sal e espalhe a batata ralada na frigideira quente com óleo. Não retire todo o líquido, pois o mesmo ajudará no cozimento da batata.

Aumente o fogo para chama média. Tampe e deixe tostando/cozinhando. Quando a batata começar a ficar meio “transparente” por cima, é hora de virar o Rösti para que toste/cozinhe do outro lado. Para isso use um prato grande untado com um pouco de óleo. Vire o Rösti em cima do prato como se fosse retirar um bolo assado da forma.

Reponha mais um pouco de óleo na frigideira, espalhe. Retorne o Rösti à frigideira e deixe terminar de tostar/cozinhar. Para se certificar que o Rösti está pronto, é só espetar a ponta de uma faquinha. Se sair rapidamente e sem problemas, então a batata está cozida e o Rösti pronto :)

Se for servir como entrada, porcione com a ajuda de um aro cortador redondo. 


Espinafre refogado

360g de espinafre limpo e branqueado, pode usar descongelado também
Um fio de azeite doce (oliva)
1 col. sopa rasa de manteiga
2 dentes de alho bem picadinho
1/2 cebola pequenina bem picadinha
100ml de caldo de legumes quente
Sal e pimenta do reino moída na hora à gosto

Numa frigideira quente, jogue o fio de azeite e a manteiga. Assim que começar a derreter a manteiga, junte a cebola e refogue. Depois o alho.

Acrescente o espinafre e espalhe para que tudo se misture. Adicione o caldo de legumes e deixe cozinhar por uns dois minutos. Se deixar cozinhar demais, o espinafre ficará cinza!

Tempere com sal e pimenta do reino à gosto. Reserve!

Estou explorando o verde esses dias :)

Creme azedo temperado

4 col. sopa rasa de creme de leite uht
4 col. chá de sumo de limão
1 col. sopa rasa de mostarda de sua preferência
Sal e pimenta do reino moída na hora à gosto

Misture o creme de leite e o sumo de limão, mexa e deixe na geladeira por quinze minutos. Acrescente a mostarda e misture. Tempere com sal e pimenta do reino à gosto. Se não for usar logo, guarde coberto com um pedaço de filme de PVC na geladeira.

Para servir, é só decorar à gosto :) Espero que tenham gostado :) 

Um abraço


 
Era uma vez num prato branco!

Nota informativa, Salon du chocolat em Salvador!

Olá!

Foi divulgado na revista muito, domingo 14/08/11, edição 176, que o Salon du chocolat acontecerá ano que vem mesmo. Assim como havia sido informada gentilmente (via e-mail) por Diego Lozano :)

Espero que desta vez não seja mais adiado. O evento ainda não tem data, mas podem deixar que me manterei informada!

Se quiserem saber mais... o post é esse!

Um abraço

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Beijú de tapioca, Wrap brasileiro!


Olá!

E quem diz não? Eu já estou convicta!

Então quer dizer que foram os índios que descobriram o Wrap... hahahahaha, acho ótimo isso!

Para quem não conhece, beijú (chamamos assim aqui em Salvador) é uma "panqueca" de tapioca. Peinera-se a goma em cima de uma frigideira com superfície lisa (não untada) e deixa, em fogo médio, "assando" até que a goma "derreta". Ela vai se juntar grumo por grumo. Depois é só virar para assar do outro lado. Como a goma de tapioca não tem proteína ela não doura só queimará, se assar durante muito tempo (além de secar!). Mais sobre o assunto aqui, no blog maravilhoso da Neide Rigo, o Come-se e aqui também!

Por aqui vende-se essa delícia em toda a esquina. Não sei se essa oferta vasta é bom ou ruim. O interessante é que de uns tempos para cá, os e as beijuzeiros (as) tem cada dia mais opções de recheios, isso é bem bom :) Tem até as versões doces, com doce de leite, chocolate, frutas e lá vai...

No bairro onde meus pais moram, passa quase todo sábado pela manhã, uma mulher alta, forte e de voz intensa gritando: beijú e pamoooooonhá!! e: olha o beijú fregueza!! Para minha positiva surpreza, ela vende beijú molhado (outra versão!). Uma coisa dos céus minha gente! Uma delícia! É molhadinho com leite de coco feito à mão e enrolado em uma folha de bananeira. Ao abrir você vê logo um punhado de coco fresco ralado por cima, aí eu não aguento! Já comi até dois de uma vez só :s

Acho que vocês já notaram que estou enamorada por coco! E por nosso Wrap :)

Para essa versão, decidi usar um recheio de couve com bacon, muito bacon, adoro bacon (chega!) Não tem receita exata!

A goma comprei na lojinha da fazenda, mas como, no mesmo dia, tinha feito um bolo de aimpim, aproveitei para retirar a goma e usei também na preparação desse beijú :)

Refoguei o bacon em um fiozinho de azeite doce (oliva), depois juntei a cebola e o alho. Depois foi a vez da couve e por último o tomate (para conferir suculência!). Temperei com shoyu, sumo de limão e um fiozinho de mel. Pronto!

Tenho certeza que cada um tem sua idéia de recheio preferida e isso é ótimo!

Abraços e algumas fotinhas :)

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Nhoque de brigadeiro com biscoito e molho de leite de coco, ufa!!!


Olá!

É incrível o que as crianças, quando liberdade tem, podem fazer. Fazem umas três (talvez mais) semanas que conheci Aelita Andre por vídeo.

O que e como essa meninha pinta é algo fora da realidade. Seu primeiro quadro ela pintou com 2 anos de idade. Fez sua primeira exposição com 4. Um de seus quadros chegou a valer 24 mil dólares e ela não tava nem aí, só queria saber mesmo era de brincar/pintar.

Eu penso que todas as pessoas têm um dom, sinceramente, divino ou diabólico! Ninguém sabe explicar realmente o que se passa com nossos sentidos e instintos quando estamos fazendo o que gostamos. 

Mais é certo afirmar que quando isso acontece, entramos em contato com algo fora da capacidade humana de entender coisas, como essas que a Aelita faz.

Quando eu cozinho passam coisas dentro de mim que eu adoro sentir. É como “eletricidade”! 

Acho que não preciso explicar grandes coisas do post de hoje. Como aqui é um blog de culinária, acho que somente o necessário, a receita!


Nhoque de brigadeiro com biscoitos e molho de leite de coco
Rende aprox. 4 rolinhos de 3 cm de Ø e 20 cm de comprimento

Nhoque

395g de leite condensado, 1 lata ou caixinha
100g de chocolate meio amargo, quanto mais amargo mió
20g de cacau em pó
20g de manteiga sem sal
de boa qualidade, sempre :)
1 pitadinha de sal
100ml de leite integral
60g de amido de milho
60g de biscoitos de chocolate
de sua preferência cortados grosseiramente


Faça toda a Mise em Place. Inclusive: estender, primeiramente, dois pedaços de filme de PVC (sobre uma mesa ou coisa parecida) e untar com manteiga sem sal, só a parte do centro, em sentido longitudinal tipo assim
Clique em cima para ver melhor!

Eu tentei primeiramente com papel alumínio, mas não foi! Nem pensei em tentar com o manteiga... Deu foi com o filme mesmo. Melhor flexibilidade e melhor visibilidade!

Também prepare um saco de confeiteiro, grande o suficiente para caber toda a massa dentro dele. Se você usar um pequeno, vai ter que recolocar massa e isso fará uma bela meleira. Mas se você não se importa, vá em frente.


Prepare também água fria em um recipiente que possa encaixa a panela do brigadeiro dentro!

Com o leite condensado, a manteiga, o cacau, o chocolate, a pitadinha de sal e fogo baixo, faça um brigadeiro até o ponto de enrolar. Desligue o fogo. Troque de colher de silicone (ou o que for) por um batedor de arame (ou Fouet). Junte o leite ao amido de milho e rapidamente acrescente a mistura ao brigadeiro. Rápido! Mexa logo para não empelotar ;)

Religue o fogo (chama média) e volte a cozinhar a “massa do nhoque” até que fique bem firme. Começa a desgrudar do fundo da panela, aí você cozinha até engrossar bastante. Mas não é para deixar virar uma massa igual a purê de batata duro!

Chegando a esse ponto, desligue o fogo. Coloque a panela dentro do recipiente reservado com água fria e deixe esfriar um pouco. Junte o biscoito e continue mexendo. Para saber a temperatura ideal, que é a que você suporta em suas mãos, tem que colocar o dedão para sentir. Uma colher para provar também vai.


Encha o saco de confeiteiro com a “massa do nhoque” e bloqueie o fundo para não escapar massa. Com uma tesoura ou faca afiada, recorte a ponta onde irá sair a massa modelada, em um tamanho suficientemente grande para formar tipo uma salsicha longa e comprida.


Mele a ponta do dedo indicador com manteiga e posicione-o bem onde você for começar a espremer a salsicha (isso evitará que escorregue!). Exprema a massa sobre o filme. Com as abas vá dando forma a salsicha. Depois enrole tudo bem bonitinho e alise fazendo movimentos de vai e vem, bem sutis. Se for preciso recorte o excesso de filme.


Leve o rolinho ao freezer e faça os outros. Sempre ao terminar de fazer um rolinho, leve-o ao freezer e o que já tiver no freezer dê mais uma enroladinha para não perder o formato roliço.

Quando todos os rolinhos estiverem feitos, coloque tudo na geladeira para terminar de endurecer. Sempre voltando a enrolar para manter o formato roliço, até que estejam todos duros o suficiente para corte.

Vale acrescentar que a textura do nhoque é bem densa, brigadeiro né! Mas o molho faz amaciar um pouco!


Molho de leite de coco
Rende 350 ml


½ receita de creme inglês
55g de chocolate branco picado
200ml de leite de coco


Se quiser servir com bastante molho, é melhor fazer duas receitas do mesmo!!!!

Faça o creme inglês. Quando estiver alcançado o ponto ideal, retire do banho maria (não descarte o banho, pois você precisará) e junte o chocolate branco. Mexa até derreter. Agora acrescente o leite de coco, volte o recipiente ao banho maria e deixe até esquentar. Retire do banho e reserve. Com a água quente do banho maria você poderá aquecer a faca que irá cortar os nhoques!
 
Corte os rolinhos em nhoques e disponha-os sobre um prato fundo. Regue com molho (cuidado para não esconder os nhoques) ainda morno (ou gelado!), decore como preferir e sirva.

Abraços brigadeirados e nhocados :)

Outra sugestão é sevir em Cuillères
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...